Por Joseolgon

Depois da construção dos Passadiços do Paiva, em 2015, este conceito de turismo que mistura atividade física com aventura e natureza tornou-se popular. Atraindo cada vez mais pessoas, o número de passadiços em Portugal, de Norte a Sul, foi multiplicando.

As paisagens que envolvem estes percursos pedonais podem ser muito distintas – praias, rios, ribeiras, cascatas, floresta – mas o objetivo é sempre o mesmo: apreciar a natureza enquanto exercita ao seu ritmo. Damos-lhe a conhecer uma seleção de 10 passadiços que tem mesmo que conhecer.

Passadiços do Paiva (Arouca)

Por cristovao31

São os mais conhecidos e premiados passadiços em Portugal, atraindo por isso milhares de pessoas todos os anos. Este percurso que liga as praias fluviais do Areinho e de Espiunca tem cerca de 8,7 km de extensão. A construção de madeira acompanha o rio Paiva, no Geopark de Arouca, no distrito de Aveiro. As descidas e subidas acentuadas elevam o grau de dificuldade deste percurso de cerca de 2h30.

É também aqui que está a ser construída a maior ponte pedonal suspensa do Mundo, que atrairá com certeza ainda mais turistas. No entanto, os passadiços têm um limite máximo diário de 2000 visitantes. Por isso, aconselhamos a comprar o bilhete online que custa 2 euros. Se comprar no próprio dia da visita irá pagar 4 euros.

Passadiços de Sistelo (Arcos de Valdevez)

Por Joseolgon

Considerados um dos mais belos paraísos de Portugal, os Passadiços de Sistelo fazem parte da Ecovia do Vez. Este é um mundo histórico, biológico e geológico para descobrir em Arcos de Valdevez. O percurso começa na Aldeia de Sistelo, conhecida como o Tibete Português pelos socalcos da paisagem, e conduz-nos até às margens do rio Vez. A viagem começa com uma descida acentuada numa calçada antiga transportando-nos para o período medieval.

Os passadiços propriamente ditos só começam depois da ponte sobre o Vez, depois da Capela do Senhor dos Aflitos e da Zona Fluvial de Lazer de Sistelo. São 2 km de passadiço de madeira envolvidos pelo verde minhoto numa harmonia perfeita com a natureza. Terminado o passadiço, o caminho continua coberto por vinhas em ramada até à ponte de Sistelo. E não estranhe se encontrar gado pelo caminho, estes animais também fazem parte da paisagem.

Passadiços do Gresso (Sever do Vouga)

Por MSilva1985

Podem ter uma extensão de apenas 1,5 km, mas a beleza destes passadiços não deixa ninguém indiferente. A partir de Sanfins, na freguesia de Rocas de Vouga, o passadiço circular acompanha o rio Gresso, com origem na serra do Arestal, a quase 800 metros de altitude.

O desnível do percurso proporciona muitas cascatas e quedas de água que tornam estes passadiços ainda mais especiais. Ao longo de quatro pontes e algumas escadas em madeira estará sempre protegido pela sombra do arvoredo da montanha e refrescado pela água que cai pela serra abaixo.

Passadiços de Vila do Conde (Vila do Conde)

Por Miguel Maia

Este percurso faz-se sempre acompanhado pelo cheiro a mar e pelo som das ondas. Os passadiços percorrem a orla costeira de Vila do Conde, a partir da margem esquerda da foz do rio Ave, e estendem-se até ao Cabo do Mundo, já no concelho de Matosinhos.

O caminho de madeira passa pelas dunas e floresta da Reserva Ornitológica do Mindelo, a primeira área protegida criada em Portugal e que ocupa uma área de 380 hectares. Aqui, podem ser observadas mais de 150 espécies de aves, mas também anfíbios, répteis e pequenos mamíferos. O percurso continua pelas frágeis dunas passando por praias, lagoas, falésias e ruínas.

Passadiços de Aveiro (Aveiro)

Ria de Aveiro. Por Smilehoneygirl

Uma das maiores atrações de Aveiro é sem dúvida a Ria e uma das formas mais espetaculares de explorar esta zona é percorrendo os passadiços. Este percurso de 7,5 km liga o Cais de São Roque, no centro da cidade, até Vilarinho, junto ao rio Vouga. Contudo, a estrutura de madeira apenas começa no Cais da Ribeira da Esgueira, e é a partir deste lugar que surge a paisagem do Baixo Vouga Lagunar, com as salinas e lodaçais.

Este é também um sítio privilegiado para observar aves, uma vez que passam por aqui mais de 20 mil espécies migratórias durante o inverno. Num percurso plano e sem grande dificuldade, atravesse sapais, pequenos bosques e pinhais, e descubra a fauna e flora da Ria.

Passadiços da Cresmina (Guincho, Cascais)

Dunas da Cresmina. Por Roundtheworld

Construídos em 2011, estes passadiços permitem apreciar a beleza das Dunas da Cresmina, preservando o património natural e paisagístico do parque natural Sintra-Cascais. Aqui poderá observar espécies vegetais únicas e raras na natureza num cenário que enquadra o areal do Guincho no percurso do Vale da Foz, sempre com a serra de Sintra e o Cabo da Roca no horizonte. Fique atento às placas informativas que explicam a fauna e a flora que por ali existe.

Passadiços de Alvor (Portimão)

Por Joseolgon

Com 6 km de extensão este é o maior passadiço do Algarve. O percurso liga a Praia dos Três Irmãos à Ria de Alvor, por isso poderá apreciar a beleza do estuário da Ria e das dunas sem provocar um impacto negativo na natureza.

A observação de aves é outro dos pontos a realçar neste percurso que inclui praia, lagoa, zona de canais e sapal. O caminho é longo mas considerado fácil por não ter subidas nem descidas. Os passadiços permitem ainda o acesso à praia de pessoas com mobilidade reduzida.

Passadiços de Esmoriz (Ovar e Espinho)

Por Pedro

Os passadiços que ligam a Barrinha de Esmoriz à Lagoa de Paramos são o lugar ideal para apreciar esta área protegida de 400 hectares. Sempre com as dunas e o mar no horizonte, este é um sítio privilegiado para os amantes da natureza, pois poderão observar as mais de 100 espécies de aves que aqui nidificam, entre as quais a garça-vermelha.

Ao longo do percurso vai encontrar placas informativas sobre este património natural e cultural. A lagoa costeira de águas salobras é o elemento principal desta caminhada e a ponte que a atravessa é o cenário perfeito para uma fotografia.

Passadiços de Fiães (Santa Maria da Feira)

Por Pedro

São 4 km de extensão que unem as freguesias de Fiães e Corga do Lobão e fazem parte do Parque das Ribeiras do Rio Uíma. Os passadiços de madeira percorrem as margens deste afluente do rio Douro por um terreno pantanoso, povoado por amieiros, salgueiros e sabugueiros. Com um grau de dificuldade fácil, este é um percurso ideal para uma caminhada em família ou para um passeio de bicicleta.

Passadiços da Foz do Arelho (Caldas da Rainha)

Por Vitor Oliveira

Construído nas arribas da Foz do Arelho, este passadiço tem a localização perfeita para contemplar o oceano Atlântico. O percurso começa no miradouro da Foz do Arelho e segue em direção às Quebradas das Pedras da Aberta, num caminho de subidas e descidas pela encosta. Destacamos os sete miradouros que vai encontrar ao longo do percurso com bancos giratórios para ter uma vista de 360º sobre o mar. Num dia de céu limpo, poderá até ver o arquipélago das Berlengas.

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.