Arcos de Valdevez

Por PatríciaR

Diz-se que Arcos de Valdevez foi a terra “onde Portugal se fez”. Para além de ser uma expressão intrigante e que fica na cabeça, a frase tem uma explicação. Em 1141, Afonso Henriques, futuro rei de Portugal, invadiu e conquistou castelos em território galego, provocando a ira do seu primo Afonso VII, rei de Leão e Castela.

Os exércitos leoneses avançaram sobre o Condado Portucalense, encontrando-se, frente a frente, em Valdevez, para a batalha. Contudo, por mútuo acordo, ambos aceitam trocar o combate pela realização de um torneio, que ficou conhecido como Recontro de Valdevez. Os portugueses saíram vitoriosos, permitindo assim a autonomia e a afirmação crescente do jovem monarca e a independência de Portugal.

Há muito para ver e explorar nesta vila carregada de História. Parte do distrito de Viana do Castelo, às portas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, Arcos de Valdevez é uma vila cheia de encantos característicos do Alto Minho: paisagem verde, rico património arquitetónico e pitorescas aldeias comunitárias.

São muitos os locais de interesse e os pontos turísticos de Arcos de Valdevez, deixamos-lhe 10 razões para visitar esta vila minhota.

1. Ponte velha

A ponte que liga as duas margens de Arcos de Valdevez é uma construção do século XIX, iniciada em 1876 e finalizada em 1880, que substituiu integralmente um exemplar de origem medieval. Da antiga ponte já não restam elementos arquitectónicos, mas é possível assegurar a sua existência através da escassa bibliografia e de algumas gravuras.

A antiga ponte medieval terá sido edificada entre os finais do século XII e inícios do século XIII. A existência dessa ponte e sua associação com a feira local, de significativa dimensão e importância no século XV, bem como uma importante rede viária de e para o exterior, estiveram na base do desenvolvimento histórico, económico e social da vila.

2. Igreja da Lapa

Igreja da Lapa

Por Harpagornis

De origem beirã, o culto de Nossa Senhora da Lapa terá chegado a Arcos de Valdevez por volta de 1758, tendo a igreja sido concluída em 1767. A igreja, de estilo barroco, caracteriza-se pela singularidade da sua arquitetura, nomeadamente pela planta centralizada, pela colocação da torre atrás da capela-mor, e, sobretudo, por uma ampla e alta cúpula, criando uma solução inovadora e simples.

O interior, com três elementos característicos de cuidada talha ao nível dos retábulos e grades, é um exemplo típico de estilo rococó. Este templo está classificado como Imóvel de Interesse Público.

3. Praia fluvial da Valeta

Situada no centro da vila de Arcos de Valdevez, a praia fluvial da Valeta é muito procurada como espaço de lazer e recreio. O espaço é agradável, localizado no decorrer do curso do rio Vez, com um extenso areal com águas calma e limpas, área relvada e arborizada.

A praia fluvial dispõe de várias infraestruturas de apoio, tais como sanitários, vigilância e bar com esplanada. A praia da Valeta possui a classificação de água de excelente qualidade e compatível para a prática balnear, controlada regularmente pela Autoridade de Saúde.

4. Paço de Giela

Paço de Giela

Por Pedro

Classificado como monumento nacional desde 1910, o Paço de Giela é um exemplar notável de arquitetura civil privada medieval e moderna. A sua origem, tal como a do antigo Castelo de Santa Cruz, está profundamente ligada à origem e formação da terra de Valdevez. Quando o castelo deixou de ser um ponto estratégico, a edificação da casa-torre de Giela marcou um novo momento de proteção e domínio senhorial e régio sobre a área.

A arquitetura revela a sua longevidade, desde a torre medieval com elementos românicos e góticos, às ornadas janelas manuelinas. Atualmente, a casa-torre acolhe um interessante museu com achados arqueológico que provam a ocupação do território desde há milénios até ao presente. O imóvel foi adquirido pela autarquia local em 1999.

5. Ecovia do Vez

São 32 quilómetros ao longo do rio Lima e do rio Vez que compõem a Ecovia do Vez, que começa em Arcos de Valdevez e termina na aldeia de Sistelo, já dentro do Parque Nacional Peneda-Gerês. A Ecovia do Vez divide-se em três etapas principais. Caso opte por realizar o percurso completo, a duração será, no mínimo, de seis horas. Pode, no entanto, realizar cada uma das etapas separadamente ou até apenas uma delas.

Ao longo do caminho são vários os pontos de interesse: igrejas, casas senhoriais, pontes medievais e praias fluviais. Mas o melhor é poder desfrutar de uma paisagem incrível ao longo do rio Vez. O caminho faz-se por terra batida ou caminhos de pedra mas irá encontrar vários locais onde a passagem é feita por campos de cultivo e por passadiços.

6. Núcleo Megalítico do Mezio

Anta do Mezio

Por Nmmacedo

Integrado no conjunto de monumentos megalíticos conhecidos por “Antas da Serra do Soajo”, classificado como monumento nacional desde 1910, o Núcleo Megalítico do Mezio incorpora cerca de uma dezena de monumentos, distribuídos por uma zona planáltica de aproximadamente dois quilómetros. Estes espaços funerários pré-históricos foram edificados há cerca de 5 mil anos. A área inclui três monumentos intervencionados cientificamente e posteriormente valorizados: as Mamoas 1, 5 e 6.

Se visitar o local, vai poder compreender todo o conjunto arquitetónico primitivo, uma vez que existe informação gráfica sobre os monumentos estudados. O Núcleo Megalítico do Mezio é muito importante, não só pela informação científica que permitiu colher, mas também pela recuperação e valorização patrimonial de um período tão remoto e único.

7. Sistelo

Por homydesign

Também conhecida por “pequeno Tibete português” por causa dos verdejantes socalcos, a aldeia de Sistelo é um dos ex-libris do concelho de Arcos de Valdevez. Conhecida pelas suas paisagens em socalcos, onde se cultiva o milho e pasta o gado, a aldeia encontra-se muito bem preservada, tendo sido recuperadas as casas típicas de granito, os espigueiros e os lavadouros públicos.

Não pode deixar de visitar o Castelo de Sistelo, que é na verdade um palácio de finais do século XIX onde viveu o Visconde de Sistelo. Passeie pelas ruelas da aldeia, visite a igreja matriz, a ponte romana e o moinho, e mergulhe na praia fluvial de Sistelo.

8. Soajo

Localizada em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, a vila de Soajo é caracterizada pelas suas ruas pavimentadas com lajes de granito e as casas construídas com blocos de pedra. Até há cerca de um século a povoação vivia em regime comunitário, baseando a sua atividade na agricultura.

A eira comunitária é ainda hoje um dos maiores atrativos da vila, constituída por 24 espigueiros, todos em pedra e assentes num afloramento de granito, datando o mais antigo de 1782. Mas há outros atrativos nesta encantadora vila, como o Largo do Eiró, onde se situa o Pelourinho e a igreja matriz.

9. Santuário de Nossa Senhora da Peneda

Santuário de Nossa Senhora da Peneda

Por Nmmacedo

Situado na aldeia de Gavieira, o Santuário de Nossa Senhora da Peneda foi construído entre os finais do século XVIII e o terceiro quartel do século XIX. A igreja foi terminada em 1875. Diante da igreja encontra-se o escadório das virtudes, com estátuas que representam a fé, a esperança, a caridade e a glória.

Acredita-se que neste local tenha existido uma pequena ermida construída para lembrar a aparição da Senhora da Peneda, cujo culto foi crescendo e motivou a construção do santuário. O templo enquadra-se perfeitamente na montanha, com 20 capelas ao longo do vale evocando cenas bíblicas. Um enorme rochedo – o penedo das Meadinhas – domina o local com os seus 300 metros de altura e completa a paisagem, tornando o santuário ainda mais pitoresco e único.

10. Mosteiro de Ermelo

Mosteiro de Ermelo

Por José Antonio Gil Martínez

A paisagem que envolve o Mosteiro de Ermelo, situado no fundo de uma encosta nas margens do rio Lima, já vale a pena a visita por si só. Apesar da sua integração na Ordem de Cister, a vida deste mosteiro foi atribulada e curta. Na visita que realizou em 1553, o abade de Claraval encontrou-o em total estado de abandono e pobreza, pelo que foi secularizado em 1560, convertendo-se em igreja paroquial.

Atualmente, o que encontramos em Ermelo é uma bonita igreja românica adaptada à vida de uma pequena paróquia. Da nave que se erguia a sul resta o belo arco triunfal que se encontra a céu aberto, no exterior. Podemos encontrar ainda uma arcada de arcos plenos, vestígio do claustro arruinado.

Casas de campo em Arcos de Valdevez

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.