Magazine Planos 10 razões para visitar Vila Viçosa, a “princesa do Alentejo”

10 razões para visitar Vila Viçosa, a “princesa do Alentejo”

4 Shares
Vila Viçosa
Vila Viçosa. Por malajscy

É conhecida como a “princesa do Alentejo”, pelo seu vasto e importante património. Vila Viçosa, no distrito de Évora, é uma autêntica “vila-museu”, que guarda algumas das mais belas relíquias da História de Portugal, contada pelas igrejas, conventos, palácios, museus e pelas próprias ruas e gentes.

Ao longo dos tempos, Vila Viçosa foi ocupada por romanos e muçulmanos. Foi conquistada para o reino de Portugal em 1217, durante o reinado de D. Afonso II. Em 1270 recebeu foral de D. Afonso III, vendo o seu nome mudado de Vale Viçoso para Vila Viçosa.

O nome Vila Viçosa deve-se à fertilidade dos solos e aos encantos do seu território. Para além do rico património, nesta vila alentejana destaca-se também o mármore, que tem um papel fundamental na economia da região.

Damos-lhe a conhecer 10 motivos para visitar Vila Viçosa.

1. Paço Ducal de Vila Viçosa

Paço Ducal de Vila Viçosa
Paço Ducal de Vila Viçosa. Por Amaury Henderick

Uma passagem por Vila Viçosa não está completa se não visitar o Paço Ducal, o mais emblemático monumento da povoação. A sua edificação iniciou-se em 1501 por ordem de D. Jaime, quarto duque de Bragança, mas as obras que lhe conferiram a grandeza e características que hoje conhecemos prolongaram-se pelos séculos XVI e XVII.

Foi durante séculos a sede da Casa de Bragança, uma importante família nobre fundada no século XV, que se tornou na casa reinante em Portugal, quando a 1 de dezembro de 1640 o oitavo duque de Bragança, D. João IV, foi aclamado rei de Portugal.

É uma das obras-primas da arquitetura civil portuguesa da Idade Moderna, assumindo-se que a sua traça se deve ao arquiteto régio Nicolau de Frias, que terá iniciado o projeto cerca de 1577 a mando do sexto Duque D. João I.

Com 110 metros de comprimento tem a fachada totalmente revestida com mármore da região. O Paço Ducal tem mais de 50 salas abertas ao público, com coleções de pintura, escultura, mobiliário, tapeçaria, cerâmica e ourivesaria.

2. Casa dos Arcos

Casa dos Arcos
Casa dos Arcos. Por Monumentos

Também conhecida como Palácio Matos Azambuja, a Casa dos Arcos é um edifício nobre situado na freguesia da Conceição, no centro de Vila Viçosa.

Foi construída em 1599 por nobres que provavelmente estariam relacionados com a Casa de Bragança, uma vez que este edifício fica muito próximo do Paço Ducal.

3. Castelo de Vila Viçosa

Castelo de Vila Viçosa
Castelo de Vila Viçosa. Por Panoramio

Outro dos ex-libris de Vila Viçosa é o castelo medieval. Numa posição dominante sobre a vila, nas proximidades da vertente nordeste da serra de Ossa, o Castelo de Vila Viçosa ergue-se sobre uma colina defendida naturalmente pela ribeira de Ficalho e pela ribeira do Carrascal.

Acredita-se que a construção do castelo terá começado quando D. Afonso III entregou a Carta de Foral a Vila Viçosa, em 1270. Depois disso, o seu filho e sucessor, D. Dinis, terá dado um efetivo impulso, terminando a sua edificação e fazendo erguer a cerca da vila.

O castelo sofreu intervenções de consolidação e restauro em diversos momentos ao longo do século XX, tendo servido durante alguns anos de pousada. Atualmente, encontram-se nele instalados o Museu da Caça, onde se encontra a coleção privada de Manuel Lopo Caroça de Carvalho, e o Museu de Arqueologia.

4. Santuário de Nossa Senhora da Conceição

Santuário de Nossa Senhora da Conceição
Santuário de Nossa Senhora da Conceição. Por Lusitana

É também dentro dos muros medievais do castelo que se encontra o Santuário de Nossa Senhora da Conceição, com a imagem original que recebeu a coroa de Portugal pelas mãos do rei D. João IV, passando daí em diante a ser a padroeira e rainha de Portugal.

A igreja foi fundada por Nuno Álvares Pereira, após a vitória portuguesa na Batalha de Aljubarrota, em 1385, contra os castelhanos. A imagem da padroeira, que ainda se encontra atualmente no santuário, foi oferecida pelo mesmo, que a adquiriu em Inglaterra.

O templo, que é simultaneamente Igreja Matriz de Vila Viçosa, resulta da reforma levada a cabo em 1569, em pleno reinado de D. Sebastião, sendo um amplo edifício de três naves, onde o mármore regional predomina como material utilizado na construção.

5. Tapada Real

Tapada Real
Tapada Real. Por Vitor Oliveira

Tapada Real deve-se também a D. Jaime que, por volta do ano de 1515, protegeu com muro a Herdade do Mato, situada entre as ribeiras de Borba e da Asseca, onde predominava o montado de sobro e azinho.

Os sucessores do quarto duque de Bragança ampliaram e cercaram a propriedade transformando-a num amplo parque recreativo – o maior espaço amuralhado do país –, com seis quilómetros de comprimento e mais de três de largura.

Distribuída por uma área superior a 1500 hectares, a Tapada Real ocupa terrenos que atravessam os concelhos de Vila Viçosa, Borba e Elvas.

Com uma fauna e flora riquíssimas, a Tapada Real foi desde sempre povoada por veados, gamos e javalis, que fizeram as delícias dos monarcas da Casa de Bragança.

A Tapada Real conta ainda com três ermidas – Santo Eustáquio, São Jerónimo, Nossa Senhora de Belém – e um palacete mandado construir por D. Teodósio I em 1540, junto à ribeira de Borba.

6. Igreja e Convento das Chagas

Igreja e Convento das Chagas
Igreja e Convento das Chagas. Por Alvesgaspar

Erigido em 1514 por D. Jaime para ser o Panteão das Duquesas de Bragança, o Real Convento das Chagas de Cristo, como também é conhecido, foi ocupado em 1535 pelas clarissas provenientes do Mosteiro de Nossa Senhora da Conceição de Beja.

Ali se recolheram jovens da melhor nobreza do reino que ingressavam na vida religiosa, muitas delas nascidas de relações extraconjugais.

Apesar do despojamento característico desta ordem religiosa, as muitas doações transformaram este convento num dos mais prósperos e opulentos do país. O interior da igreja – classificada, desde 1944, como monumento nacional, em conjunto com os claustros do convento – é totalmente coberto de azulejos policromos datados de 1626; o altar-mor é rico de talha dourada e de pinturas do século XVI.

7. Convento e Igreja dos Agostinhos

Convento e Igreja dos Agostinhos
Convento e Igreja dos Agostinhos. Por Alvesgaspar

Em frente ao Paço Ducal, fica o Convento e Igreja dos Agostinhos, cuja construção teve início em 1267, no reinado de D. Afonso III, sob a invocação de Nossa Senhora da Graça. Entregue à Ordem dos Eremitas Calçados, este foi o primeiro convento a ser instituído em Vila Viçosa.

No início da construção do Palácio Ducal (1502), o convento foi reestruturado por ordem de D. Jaime e a sua fachada ficou virada para o Terreiro do Paço.

A igreja, de estilo barroco, transformou-se, a partir de 1677, no Panteão da memória dos Duques de Bragança, acolhendo no seu interior o túmulo do primeiro Duque de Bragança, D. Afonso, classificado monumento nacional desde 1910.

8. Museus

Museu do Mármore
Museu do Mármore. Por Vitor Oliveira

Vila Viçosa é ainda rica em espaços museológicos que preservam viva a memória de tradições e costumes da região para que não se perca a riqueza deste legado.

Para além dos já mencionados Museu da Caça e Arqueologia, que ficam dentro da fortaleza do castelo, destacamos também o Museu de Arte Sacra na antiga igreja do Convento de Santa Cruz, o Museu Agrícola e Etnográfico na antiga Estação de Caminhos de Ferro, o Museu do Mármore e o Museu do Estanho, dedicado a Apeles Caetano Coelho, um filho da terra que se consagrou como o melhor artífice do estanho em Portugal.

9. Igreja de São João Evangelista

Igreja de São João Evangelista
Igreja de São João Evangelista. Por Vitor Oliveira

Na Praça da República, ergue-se este templo seiscentista, também conhecido como Igreja do Colégio ou de São Bartolomeu, edificado por ordem dos Duques de Bragança (1636) para acolher o colégio jesuíta de São João Evangelista, fundado em 1601.

A imponente fachada, revestida com os mármores da região, é rasgada por três ordens de janelas e o mesmo número de portais ladeados por colunas dóricas. Flanqueada por duas torres sineiras quadrangulares, conta ainda na fachada com o relógio ali colocado em 1822 pela autarquia.

No seu interior, o templo é um exemplar clássico da arquitetura barroca, destacando-se o retábulo do altar-mor feito em talha dourada pelo calipolense Bartolomeu Gomes em 1726.

10. Igreja da Lapa e Cruzeiro de Vila Viçosa

Igreja da Lapa e Cruzeiro de Vila Viçosa
Igreja da Lapa e Cruzeiro de Vila Viçosa. Por Vitor Oliveira

No Campo da Restauração, também conhecido como Carrascal, ergue-se o Santuário de Nossa Senhora da Lapa, templo barroco de peregrinação construído entre 1756 e 1764. Também nesta construção a utilização do mármore marca a diferença num dos mais representativos monumentos da arquitetura barroca da região.

Classificado como monumento nacional desde 1910, esta igreja remonta às primeiras décadas do século XVI. Inicialmente construída nas proximidades do Mosteiro de Santo Agostinho, terá sido trasladada em meados do século XIX para o Campo do Carrascal, onde se encontra atualmente.

cruzeiro divide-se em duas partes abraçadas pela serpente, em alto-relevo, raríssima e estranha representação do Salvador crucificado. Uma figura que simboliza a redenção do pecado e a esperança da salvação.

4 Shares

Artigos relacionados

Faça um comentário

Ao clicar em ENVIAR aceita a privacidade

Copy link
Powered by Social Snap