Marvao

Marvao. Por Anna Kompanieitseva

Portugal tem uma história muito rica. Povoado desde tempos imemoriais e por inúmeros povos que por cá passaram, tem uma bagagem cultural que deixou inúmeras marcas. E ainda hoje muitas dessas influências podem ser vistas em pequenas aldeias e vilas espalhadas por todo o território nacional, que cristalizaram muitas dessas heranças.

Portugal é rico em povoados com alma e carisma. Com geografias diferentes, no norte, centro ou sul, algumas destas localidades são muito especiais e encantam quem quer que as visite. Esta é uma seleção de onze povoações que, cada uma à sua maneira, encerram um carisma muito próprio que perdura ao longo do tempo. E todas elas merecem uma demorada visita.

Óbidos

Óbidos

Por MiguelG.

Esta vila é um lugar encantado onde existem mais bibliotecas do que igrejas. Em 2015, a UNESCO considerou Óbidos como Cidade Literária, como parte do programa Rede de Cidades Criativas. A vila é conhecida, entre outros, pela ginjinha e pelos vários festivais que foi desenvolvendo, nomeadamente o do chocolate, o medieval e a Vila Natal, que trazem sempre inúmeros turistas a esta pitoresca vila de pequenas ruelas e onde não falta também o típico castelo.

Piódão

Piódão

Por Aldeias Históricas de Portugal

Nas montanhas do Açor, no centro do país, localiza-se uma das aldeias mais bem preservadas de Portugal, com casario feito de xisto e disposto em anfiteatro. A aldeia não é de muito fácil acesso, mas vale a pena a visita. Como se de um presépio se tratasse, as casas distribuem-se em redor dos socalcos, nas quais pontuam o azul e o xisto, por entre sinuosas e estreitas ruelas.

Sintra

Sintra

Pixabay

Sintra está repleta de coisas para visitar. É preciso mais do que um dia para ver o essencial do Palácio Nacional, do Palácio da Pena, da Quinta da Regaleira, de Monserrate, além dos jardins, bosques e o centro da vila. Sintra foi refúgio da nobreza. Às portas da capital, era o destino da das elites portuguesas da época romântica, e ainda hoje a arquitetura aqui deixada ajuda a recordar e criar esse carisma. Sintra foi a primeira Paisagem Cultural na Europa, em 1995, classificada pela UNESCO. A vila possui palácios, casas senhoriais, palacetes e chalets, todos eles envoltos em bosques e jardins de vegetação exuberante, que fazem desta vila um caso único em Portugal.

Idanha-a-Velha

Por Aldeas Históricas

Esta é hoje uma modesta aldeia e onde se diz que o rei visigodo Vamba nasceu. Seja verdade ou não, as suas ruas charmosas no meio de uma planície de oliveiras merecem uma visita e uma boa caminhada. A aldeia ocupa um lugar de realce no contexto das estações arqueológicas do país. Destaque para o podium de um templo no qual assenta a Torre dos Templários e para a Porta Norte e respetiva muralha.

Marvão

Por Pixabay

Esta vila alentejana destaca-se por estar localizada no alto, quase a 900 metros de altura. É uma localidade medieval que se situa de frente para Espanha, com a sua igreja do século XV. A vila tem uma parede do século XII ao seu redor e a particularidade de se utilizarem outrora os rochedos de Marvão para refúgio das povoações assoladas por povos invasores. O Castelo de Marvão foi também uma fortificação estratégica orientada para a fronteira, da qual dista apenas 13 Km.

Monsanto

Monsanto

Por Aldeias Históricas de Portugal

Em Monsanto, as casas surgem entre rochas enormes. Foi apelidada como a ‘aldeia mais portuguesa’ por António Salazar, em 1938. A vila é notável pelas suas pedras de granito, entre os telhados vermelhos, e pelo seu castelo que domina a região. Ícone turístico da região, a sua parte mais antiga está no ponto mais alto da vila, onde os Templários construíram uma cerca com uma torre de menagem.

Ponte de Lima

Por Pixabay

Ponte de Lima tem, ao longo da sua história, somado à sua beleza natural fachadas góticas, maneiristas, barrocas, neoclássicas e oitocentistas que aumenta o seu valor histórico e cultural. A ponte romana dá carácter a toda a cidade, assim como os palácios, as igrejas e o museu de arte sacra. Localizada bem a norte, no distrito de Viana do castelo, tem na sua ponte romana o seu símbolo e referência obrigatória em roteiros, guias e mapas, muitos deles antigos, que descrevem a passagem por ela de milhares de peregrinos que seguiam para Santiago de Compostela.

Tavira

Por Pixabay

Tavira está divida em dois pelo rio Gilão, que desagua no estuário por trás da ilha com o mesmo nome. Entre as pessoas, os azulejos característicos e a ilha, estendem-se as lagoas do Parque Natural da Ria Formosa, onde os turistas que procuram praias desertas e águas quentes se estendem. As praias da ilha são paradísicas e um dos ex-libris desta localidade. A variedade de ecossistemas e habitats existentes aqui compreendem uma grande diversidade de espécies animais e vegetais que constituem uma riqueza ecológica muito significativa.

Ericeira

Ericeira

Por Pixabay

Ericeira é a vila dos pescadores que se refugia entre um penhasco e o palácio de Mafra. Até hoje, mantém as suas raízes marítimas, as suas capelas dedicadas ao padroeiro dos pescadores, as suas casas brancas e azuis. Este é o local perfeito para desfrutar de um bom marisco. Mas não só. As praias da Ribeira d’Ilhas, S. Lourenço, Coxos, Pedra Branca ou a Foz do Lizandro são algumas das principais praias para praticar surf. Estas praias são, na sua maioria, sossegadas, de areia grossa e clara e ondulação variada, o que faz com que sejam boas tanto para surfistas experientes como para iniciantes.

Trancoso

Trancoso

Por Downunderphoto

Com os seus numerosos monumentos de arquitetura civil, religiosa e militar, Trancoso constitui um dos mais expressivos e belos centros históricos do país. Em tempo, D. Dinis ordenou a construção das paredes que ainda hoje protegem uma aldeia onde os cristãos e os judeus viveram juntos. Terra de lutas e batalhas marcantes para a formação do reino, tem uma cintura de muralhas que ainda rodeia a antiga vila medieval. Para além da sua importância militar, foi também um importante centro mercantil, do qual ainda hoje resta a afamada Feira de S. Bartolomeu.

Mértola

Mértola

Por Miguel G.

A vila de Mértola é banhada pelo rio Guadiana, o que fez desta vila um importante porto fluvial tanto na época romana como muçulmana. É chamada de ‘Vila Museu’, tantos são os artefactos arqueológicos de diferentes culturas aqui encontrados. Com os primeiros vestígios que remontam ao Neolítico, há cinco mil anos, por esta vila alentejana passaram diversos povos ao longo dos séculos. Destaque para a mesquita muçulmana transformada em igreja católica e para o castelo, cujos primórdios datam de 440 d.c.

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.