Magazine Cultura Angra do Heroísmo, a cidade leal que foi capital duas vezes

Angra do Heroísmo, a cidade leal que foi capital duas vezes

17 Shares
Por Franzfoto.

Não há muitas cidades em Portugal que se possam vangloriar de terem sido capitais do país, mas Angra do Heroísmo pode gabar-se de tê-lo sido duas vezes ao longo da História.

Para além de Guimarães, Coimbra, Lisboa e até o Rio de Janeiro, esta cidade situada na costa sul da ilha Terceira, nos Açores, foi capital de Portugal duas vezes em situações complicadas para o país: durante a crise de sucessão de 1580 e, mais tarde, em 1830, no contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834).

Angra do Heroísmo foi um porto de escala obrigatório desde o século XV até ao aparecimento dos barcos a vapor, no século XIX. As suas imponentes fortificações de São Sebastião e de São João Baptista, construídas há cerca de 400 anos, são exemplares únicos de arquitetura militar.

Por kallerna

A cidade desenvolveu-se a partir do seu porto, que se revestiu de grande importância estratégica entre os séculos XV e XIX.

Ao longo dos séculos esteve ligada à manutenção do Império Português, como escala obrigatória das frotas do Brasil, de África e das Índias. A classificação do centro histórico de Angra do Heroísmo de Património da Humanidade da UNESCO em 1983 – a primeira cidade no país a ser inscrita na lista – reflete a sua importância histórica e cultural.

Por tudo isto e muito mais vale a pena visitar Angra do Heroísmo, na ilha Terceira. Sugerimos-lhe alguns locais a não perder numa passagem pela ilha açoriana.

Igreja da Misericórdia

Por Concierge.2C

A igreja da Misericórdia situa-se em pleno centro histórico de Angra do Heroísmo. A igreja terá sido construída no início do século XVIII, no local onde, em 1492, tinha sido fundado o primeiro Hospital dos Açores. Num estilo barroco sóbrio, a igreja caracteriza-se pela nave central ladeada por duas torres sineiras com zimbório, decorada de branco e azul.

Sé de Angra do Heroísmo

Por Schnobby

A Sé Catedral de Angra do Heroísmo é o maior templo e um dos principais monumentos da cidade. O atual templo terá sido construído sobre a anterior igreja de São Salvador, datada provavelmente de 1496, ostentando um estilo gótico contemporâneo da data da sua construção.

A igreja, contudo, revelou-se pequena para a crescente população de Angra do Heroísmo, que se afirmava como uma vila em franca expansão e riqueza. Da primitiva igreja resta o altar-mor, situado debaixo da capela.

Museu de Angra do Heroísmo

Por Ymblanter

Fundado em 1949, o Museu de Angra do Heroísmo encontra-se instalado no antigo Convento de São Francisco, no centro da cidade. Esta construção do século XVII, agora restaurada e adaptada a museu, tem anexa a igreja de Nossa Senhora da Guia, igreja de estilo maneirista da segunda metade do mesmo século.

Palacete Silveira e Paulo

Por Carlos Luis M C da Cruz

João Jorge da Silveira e Paulo, cuja família viveu em São Tomé durante vários anos, mandou construir este palacete, terminado por volta de 1902. O seu interior apresenta, ao gosto da época, uma bela coleção de revestimentos a estuque.

Adquirido para serviço público, aqui funcionaram a Escola Industrial e Comercial, o Ciclo Preparatório e o Conservatório Regional de Angra do Heroísmo. Após obras de restauro e adaptação é, desde 2003, sede da Direção Regional da Cultura e do Centro do Conhecimento dos Açores.

Convento de São Gonçalo

Por Concierge.2C

O Convento de São Gonçalo foi o primeiro a ser construído em Angra do Heroísmo, sendo o maior conjunto conventual da cidade. Foi fundado em 1545, mas sofreu remodelações posteriores. Com dois claustros, cerca e granéis, a igreja e os coros, alto e baixo, são no estilo joanino.

Impérios do Espírito Santo

Por Diego Delso

O município de Angra do Heroísmo conta com um total de 45 impérios construídos entre 1670 a 1998, a arquitetura é muito semelhante entre todos normalmente quadrangulares ou retangulares e com apenas um piso. Alguns deles inclui um edifício anexo designado por despensa, aqui é guardado o pão, carne e vinho utilizados nas festividades locais.

Fortaleza de São João Baptista

Por José Luís Ávila Silveira/Pedro Noronha e Costa

Iniciada por volta de 1592, por ordem de Filipe II de Espanha, I de Portugal, esta fortaleza envolve todo o Monte Brasil. Destinava-se primordialmente à proteção dos navios das índias ocidentais.

Forte de São Sebastião

Por Concierge.2C

Por sugestão de Isidoro de Almeida, o arquiteto Tomaz Benedito de Pesaro desenhou esta fortaleza, terminada no tempo de D. Sebastião. Demonstração de uma nova ideia de defesa costeira já sensível e consciente das novas funções de apoio portuário, podia cruzar fogo com a Fortaleza de São João Baptista, na costa do Monte Brasil.

Palácio dos Capitães-Generais

Por Concierge.2C

Situado em pleno centro histórico da cidade, o Palácio dos Capitães-Generais comprova o poderio económico da cidade ao longo dos séculos. O edifício foi mandado construir em 1570 pelo rei D. Sebastião, para oferta à então importante Companhia de Jesus, projetado como convento e colégio. Desde 1766 está destinado à residência dos Capitães-Generais dos Açores.

17 Shares

Artigos relacionados

Faça um comentário

Ao clicar em ENVIAR aceita a privacidade

Copy link
Powered by Social Snap