Sónia Santos Dias

Sónia Santos Dias

Dirigimo-nos à Azenhas do Mar para confirmar ao vivo a beleza da foto postal que enche os escaparates das lojas de turismo em Portugal. Um casario branco sobranceiro ao mar, com uma piscina natural em baixo, como se a natureza oferecesse a esta população umas águas tranquilas para se banharem longe das águas revoltas que esculpem as escarpas.

É a segunda maior cidade de Portugal e tem um carisma muito próprio. Se não conhece a também chamada Cidade Invicta -assim denominada pela coragem das suas gentes que não se deixavam vencer em tempos de guerra-, lá chegado facilmente vai perceber que está a calcorrear uma cidade cheia de razões para estar a conquistar inúmeros prémios turísticos nacionais e internacionais.

Esta calorosa cidade alentejana tem muitas particularidades inusitadas. Uma capela forrada a ossos? Mas quem se terá lembrado disso? Um templo românico semelhante à Acrópole de Atenas? Um cromeleque mais antigo do que o próprio Stonehenge, mas que pouca gente conhece? Pois é, a história do mundo pode ser visitada em Évora.

Foi ao som das gaivotas que fomos recebidos na Ericeira. O mar estava revolto e a impor respeito. O céu ameaçador e a pedir o fecho do agasalho. Até as gaivotas procuravam abrigo nesta terra de gentes do mar, falamos de pescadores e de surfistas. ‘Gaivotas em terra, sinal de vendaval’, lá diz o ditado. Mas estava linda a imagem. Ali sente-se a força da natureza. Sobretudo no inverno.

Quem ouve falar em Óbidos logo exclama um profundo ‘ahhhh’. Ora é pela deliciosa e afamada ginjinha, ora é pelo recordar de um chocolate quente por lá apreciado num dia frio de inverno, ora é pelas ruelas características desta vila que convidam à contemplação.

Aconchegada pela Serra da Arrábida, banhada pelo rio Sado e de frente para as águas do Atlântico, Setúbal é geograficamente uma cidade privilegiada. Nasceu destes três grandes valores que são a serra, o rio e o mar, não surpreendendo, por isso, que haja vestígios de ocupação humana desde tempos pré-históricos. A cerca de 40 quilómetros […]

No enclave da Serra da Arrábida e defronte para o Atlântico, esta vila de pescadores é procurada sobretudo pela gastronomia, profundamente rica em peixe e frutos do mar, e pela beleza natural e ainda intocável que a envolve. A serra e o mar são os dois valores inestimáveis desta vila localizada a 40 quilómetros de […]

A chegada à vila de Sintra não deixa ninguém indiferente. Fora da arquitetura tradicional portuguesa, parece que estamos a chegar a uma vila encantada com os seus palácios coloridos, o Castelo dos Mouros lá no alto e uma imensa natureza verdejante a envolver todo o cenário