Cascais. Por majonit

Esta é uma vila singular: cresceu debruçada sobre o mar, embora ligada à Serra de Sintra. A uma distância conveniente de Lisboa, mistura o perto e o longe que se quebra rapidamente, num passeio de comboio junto à costa. Com vida própria, Cascais mantém o seu encanto sereno, pontuado por entusiasmos maiores. Procurámos captar essa essência através de oito sugestões percorrendo mar, serra, História, património, cultura e lazer.

Casa de Histórias Paula Rego

Por Manuelvbotelho

O nome é sugestivo e literal: as obras de Paula Rego são histórias que os olhos gravam. Cenas povoadas por personagens inesperadas, pertencentes a enredos maiores. 620 trabalhos repartidos pela pintura, gravura e desenho habitam esta Casa onde se descobre o espírito livre da artista. São elas que formam a exposição permanente à qual se somam, anualmente, duas mostras temporárias. É também a oportunidade de se conhecer o trabalho do britânico Victor Willing, marido da Paula Rego, também aqui presente. Nesta Casa a arte e a estética estão por todo o lado; o próprio edifício, projetado pelo arquiteto Souto Moura, foi distinguido com o Prémio SECIL de arquitetura em 2010.

Parque Marechal Carmona

Por Dguendel

Todos o conhecem por Parque Marechal Carmona, embora o seu nome seja Parque da Gandarinha, desde Abril de 74. É a expressão simples do lazer e convívio, bem no coração da vila. Muitos festivais e concertos são aqui acolhidos ao longo do ano. Na sua agenda, os sábados são reservados para o Mercado Biológico de Cascais. Uma ampla área verde, dominada por arbustos, canteiros e árvores é entrecortada por lagos e ainda pela Ribeira dos Mochos. A Biblioteca Municipal Infantil e Juvenil tem também aqui a sua morada. O parque de merendas, juntamente com o campo para jogos tradicionais e um parque infantil são aliciantes para se passear, conviver e descontrair.

Casa da Guia

Uma espécie de tudo em um. Indefinível numa só palavra. A Casa da Guia é passado e presente. É natureza tranquila e agitação, é recanto para famílias e um lugar concorrido por amigos. Daqui pode-se perder o olhar sobre o Atlântico, a partir do alto da falésia. Dois hectares de jardim ajudam a desfrutar da natureza. O Farol da Guia é vizinho deste palacete do século XIX que alberga lojas e lojas, lado a lado com uma galeria de arte no seu interior. O exterior rende-se a restaurantes e esplanadas, com espaço ainda para um anfiteatro. Já fica fora do centro de Cascais, na Estrada do Guincho, o que não invalida ser um spot muito concorrido.

O Palácio da Cidadela de Cascais

Por Flickr2Commons

Conta a História que D. Luís I foi quem deu à antiga residência do governador da Cidadela a função de casa de férias real. O mesmo hábito continuou com D. Carlos que ali se instalava entre Setembro e Outubro, arrastando a corte, juntamente com nobres e elites intelectuais.Com a mudança de regime político, passam a ser os Presidentes da República a fruir deste espaço. Depois de muito tempo encerrado, reabriu portas em 2011, tornando-se num centro dinamizador de atividades culturais. Vale a pena conhecer o Palácio da Cidadela enquanto património histórico e arquitetónico; a tudo isto junta-se a sua magnífica localização sobre a Baía de Cascais.

Palácio do Conde de Castro Guimarães

Por Joaomartinho63

As histórias e a História cruzam-se neste edifício, mandado construir no século XIX. Uma casa de veraneio, era o que desejava o seu primeiro proprietário, não estranho à nobreza de título. Mais tarde, no início do século XX, o palácio seria vendido ao primeiro Conde de Castro Guimarães. Foi construído numa pequena enseada, virado para o mar, pelo que muitas vezes, na maré cheia as ondas chegavam às suas paredes. O palacete é eclético nos estilos que mistura e apela a um leque de revivalismos. Daí que se possa falar da soma de influências arquitetónicas neorromânicas, neogóticas, neoárabes ou neomanuelinas. Gárgulas e outros elementos decorativos inesperados reúnem-se neste edifício considerado de Interesse Público desde 1993. Hoje, no seu interior está instalado o Museu Conde de Castro Guimarães onde se pode apreciar as obras de arte desta família.

Quinta do Pisão de Cima

Na parte norte de Cascais, indo pela estrada da Serra de Sintra, junto à barragem do Rio da Mula, fica a entrada. A Câmara Municipal, responsável por estes 450 hectares feitos de bosques, prados, matos e um curso de água tem vindo a apostar num plano de recuperação. É assim que as terras estão a ser reflorestadas, as espécies animais selvagens trazidas para o seu habitat de sempre; enquanto isso, a agricultura está de volta aos campos. Nada deste esforço faz sentido sem o elemento humano. Daí atividades como os passeios nos burros lanudos para crianças, os programas para observar os coelhos bravos, as perdizes vermelhas ou as graças reais. Existem também percursos interpretativos para identificar a flora que aqui cresce ao longo das várias épocas do ano. Da horta da Quinta colhem-se os legumes e frutos biológicos vendidos ao público. O mais fácil de tudo são os passeios a pé ou de bicicleta.

Duna da Cresmina

Por Roundtheworld

Estas dunas pertencem ao Parque Natural Sintra-Cascais. Em termos simples protagonizam um fenómeno de movimentação de areias entre o mar e a costa. Daí os entendidos falarem num corredor eólico dunar Cresmina-Oitavos. A melhor forma de entender a natureza por aqui é procurar a exposição permanente, no Núcleo de Interpretação do Sistema Dunar. Este pedaço de natureza é um lugar irrepetível, impossível de se perder. Mais entusiasmante é percorrer os passadiços num passeio descontraído. Seja com apoio de guia ou de um PDA é surpreendente descobrir um ecossistema em que várias espécies de animais e plantas casam com o sistema dunar envolvente. Também é possível alugar bicicletas e segways. É claro, existe sempre a possibilidade de desfrutar da praia, menos exposta ao vento, e do seu bar/restaurante.

Bar do Guincho

Por Bar do Guincho

Veio depois dela e ficou-lhe com o nome. Se ela é das praias mais procuradas por surfistas, ele tornou-se um spot obrigatório. Estamos a falar no Bar do Guincho, o par da praia com que partilha a designação. Sabe bem vir aqui o ano inteiro. A lareira, no seu interior, deixa-nos a salvo da ventania, pródiga nesta zona durante o tempo frio. Já nas estações quentes a esplanada é a maior das tentações, seja de dia ou à noite, num ambiente calmo ou em registo de festejos. Aqui prova-se o que o mar dá e bebe-se de tudo um pouco. O que importa é vir e desfrutar o momento.

Casas de campo em Serra de Sintra

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.