Casas regionais. Por Carlos Luis M C da Cruz

É possível um país inteiro caber num parque infantil? Sim, é o Portugal dos Pequenitos, que desde 1940 encanta miúdos e graúdos. Situado no largo do Rossio de Santa Clara, em Coimbra, este é um parque temático concebido e construído como um espaço lúdico, pedagógico e turístico, para mostrar aspectos da cultura e do património português, em Portugal e no mundo.

O projeto que deu origem ao primeiro parque temático do país foi idealizado pelo médico e professor Bissaya Barreto e projetado pelo arquiteto modernista Cassiano Branco. Desde 1959, o parque ludo-pedagógico integra o património da Fundação Bissaya Barreto, responsável também por uma série de atividades culturais e de assistência social.

Por José Goncalves

A construção foi iniciada em 1938 durante o regime político do Estado Novo. O parque é um retrato vivo da portugalidade e da presença portuguesa no mundo e ainda hoje é um referencial histórico e pedagógico para muitas gerações. Este pretende ser um espaço de aproximação de culturas e de cruzamento entre povos, mas também uma mostra qualificada da arte escultórica e arquitetónica que surpreende pela miniatura e minúcia.

Apesar de terem já passado 79 anos desde a inauguração do Portugal dos Pequenitos, Ivo Pimentel, Administrador Executivo da Fundação Bissaya Barreto, explica que “o parque continua a ter exatamente a mesma missão que tinha”. Para o administrador, o objetivo é dar a conhecer e explicar aos portugueses e aos turistas, em particular aos mais pequenos, o que é de uma forma sintética Portugal.

Casas regionais. Por ines saraiva

O parque, que recebeu 268.000 visitantes em 2018, divide-se em cinco áreas temáticas. Uma das primeiras áreas a ser construída foi o espaço das “Casas Regionais”, onde poderá encontrar uma representação fidedigna das casas tradicionais de norte a sul do país, com pomares, hortas e jardins, capelas, azenhas e pelourinhos. Esta é uma das áreas preferidas das crianças devido às particularidades de cada casa, feitas à sua medida.

Na mesma área poderá encontrar ainda o núcleo de Coimbra, com a representação dos principais monumentos da cidade, nomeadamente a universidade.

Universidade de Coimbra. Por José Goncalves

A segunda fase de construção integrou a chamada “área monumental”, um espaço ilustrativo dos monumentos mais representativos do país, onde se destaca o núcleo de Lisboa, as regiões de Trás-os-Montes, Douro, Minho e Beiras e também as regiões do Ribatejo, Alentejo e Algarve. Não pode perder a réplica da janela do Convento de Cristo em Tomar, obra em cantaria da autoria de Valentim de Azevedo.

Convento de Cristo. Por Carlos Luis M C da Cruz

A última fase de construção só ficou concluída em finais da década de 1950 e engloba a área de “Países de Expressão Portuguesa”, uma representação monumental e etnográfica dos atuais Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, do Brasil, de Macau, da Índia e de Timor. Aqui vai encontrar também exemplares da flora nativa destas regiões.

Esta área compreende ainda o “Portugal Insular”, ou seja, é neste espaço que estão representados os monumentos principais das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, rodeados por grandes lagos fazendo também alusão ao oceano Atlântico.

Pavilhão dos Açores. Por Carlos Luis M C da Cruz

No “Centro de Documentação Bissaya Barreto” é ainda possível ver diversos documentos sobre a história do parque, nomeadamente plantas, desenhos arquitetónicos e cartões-postais antigos.

Integrado no Portugal dos Pequenitos poderá encontrar também um parque infantil e os Museus do Traje, da Marinha e do Mobiliário.

O futuro do Portugal dos Pequenitos

Por Lampiao3

Em 2020 haverá novidades e o parque vai entrar numa fase de expansão. De acordo com Ivo Pimentel, o Portugal dos Pequenitos vai aumentar cerca de 40% do território já existente. Será construído um novo edifício de receção com várias valências novas, nomeadamente uma grande sala multiusos, uma loja e uma cafetaria mais modernas.

Apesar de não poder ainda relevar quais são, Ivo Pimentel garantiu que serão construídos novos edifícios mais contemporâneos e icónicos do Portugal atual. No entanto, essas obras não irão impedir a visita ao parque.

A Casa de Chá. Por Portugal dos Pequenitos

Este processo de modernização do parque começou já em 2015 quando foi inaugurada uma casinha de xisto, que evoca as aldeias da serra da Lousã, e uma peça da artista Joana Vasconcelos, “A Casa de Chá”.

Quem visita o Portugal dos Pequenitos poderá descarregar a aplicação para o telemóvel que fará com que a visita seja muito mais interativa. Com o bilhete de entrada terá acesso a um código para utilizar a aplicação sem restrições e poderá fazer uma visita guiada pelo parque com a história detalhada de todos os edifícios.

Casas de campo em Coimbra

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.