Comboio noturno para Lisboa. Por movieloci.com

A beleza de Portugal atravessa fronteiras e atrai cada vez mais turistas ao nosso país. Mas mesmo antes desta “invasão” turística, o cinema e os realizadores já tinham descoberto aqui um potencial enorme para a sétima arte.

As histórias, as pessoas e os lugares têm inspirado não só vários realizadores estrangeiros a fazerem filmes sobre Portugal, como também a filmarem em Portugal. Com um clima ameno, beleza natural e custos atrativos, não é de estranhar que muitas produções de cinema escolham o nosso país como cenário dos seus filmes.

Mas há também filmes portugueses que incluímos nesta lista pela forma como transportaram para o grande ecrã a beleza de alguns locais de Portugal. Fique a conhecer 8 filmes onde a paisagem de Portugal foi personagem principal.

“O Pátio das Cantigas” (1942)

Por Luis Cale/YouTube

Realizado em 1942 por Francisco Ribeiro, “O Pátio das Cantigas” é um clássico do cinema português. A ação tem lugar num típico bairro de Lisboa durante as festas dos Santos Populares, com atores muito conhecidos como Vasco Santana, António Silva e Ribeirinho.

O filme mostra o quotidiano, sonhos, desilusões, paixões, ciúmes e alegrias das gentes da época num característico pátio lisboeta. Num ambiente de diversão e comédia, “O Pátio das Cantigas” retrata a mais importante festa da cidade de Lisboa e transporta-nos para esse ambiente.

Em 2015, foi lançado um remake do filme pelas mãos do realizador Leonel Vieira, protagonizado por Miguel Guilherme, César Mourão, Dânia Neto e Sara Matos.

“007 – Ao Serviço de sua Majestade” (1969)

Por georgekkk

O sexto filme da saga James Bond foi, em grande parte, filmado em Portugal. O elenco ficou hospedado no Hotel Palácio Estoril, em Cascais, e o próprio hotel foi cenário do filme que teve como protagonistas o ator australiano George Lazenby, como James Bond, e a atriz inglesa Diana Rigg, como bond girl.

O exterior do hotel, o lobby e a piscina, vista dos quartos, têm um grande destaque em muitas das cenas do filme que estreou em 1969. A praia do Guincho, a Quinta do Zambujal, perto de Setúbal, Cacilhas, partes do Ribatejo e Lisboa também fazem parte dos cenários do filme.

Um dado curioso é o facto do jovem funcionário do hotel que participou no filme, José Diogo Vieira, na altura com 18 anos de idade, ainda hoje trabalhar aí. Outra curiosidade é o facto do histórico hotel ter sido efetivamente cenário de uma série de encontros de espiões durante a Segunda Guerra Mundial, altura em que Ian Flemming, criador de James Bond, ficou hospedado no Hotel Palácio Estoril.

“A Casa da Rússia” (1990)

Por Movieclips Classic Trailers/YouTube

Baseado na obra de John Le Carré, “A Casa da Rússia” foi produzido e dirigido por Fred Schepisi em 1990. O filme foi maioritariamente gravado em Moscovo e São Petersburgo mas a cidade de Lisboa serve também de cenário essencial para a trama.

Bartholomew “Barley” Scott Blair, interpretado por Sean Connery, é um editor britânico com negócios na União Soviética e, em viagem ao país, reúne-se com escritores locais, onde é observado por um homem chamado Dante. Michelle Pfeiffer, na pele de Katya Orlova, uma editora russa, tenta localizar Blair para lhe entregar um manuscrito. Sem sucesso, entrega-o a um representante da editora, que por sua vez o entrega ao governo britânico.

É aqui que entra Lisboa, uma vez que é na capital portuguesa que os serviços secretos britânicos localizam Barley, onde o interrogam sobre o manuscrito, mas ele desconhece tanto o documento quanto Katya. Com a Guerra Fria como pano de fundo e uns documentos secretos em jogo, este é um filme de espionagem que retrata bem o ambiente que se vivia na época.

“A Casa dos Espíritos” (1993)

Por Canal Hollywood

O filme passa-se no Chile da década de 20 aos anos 70 e conta a história da família Trueba, que começa com a união de Esteban Trueba, interpretado por Jeremy Irons, com a jovem com poderes paranormais Clara del Valle Trueba, interpretada por Meryl Streep. Adaptado do livro de Isabel Allende, a trama desenvolve-se até a família Trueba ser atingida pela revolução, que no início da década de 70 derrubou o presidente Salvador Allende.

Apesar de a ação se passar toda no Chile, a verdade é que nenhuma das cenas do filme foi gravada nesse país. A maior parte do filme foi gravado na Dinamarca, em Lisboa e no Alentejo. É fácil identificar o momento em que a revolução acontece nas escadas da Assembleia da República portuguesa e nos Paços do Concelho. Para o filme foi ainda construído o cenário de uma mansão no Monte das Três Marias, em Vila Nova de Milfontes, da qual só sobrevive a escadaria depois da destruição a que é sujeita na história.

O realizador Bille August reuniu ainda neste filme atores de renome como Glenn Close, Winona Ryder e Antonio Banderas.

“A Nona Porta” (1999)

Por TrailersPlaygroundHD/YouTube

A “Nona Porta” é um filme de Roman Polanski com Johnny Depp no papel principal. A bela e misteriosa Sintra foram o cenário ideal para este thriller sobre o oculto. Baseado no romance “Clube Dumas”, de Arturo Pérez-Reverte, a história leva-nos por uma viagem de livros centenários, cultos esotéricos e figuras assustadoras.

A personagem principal, Dean Corso, escolhe o Hotel Central para dormir e é possível também ver a Praça da República de onde parte depois para um passeio de mota que o leva pela Estrada da Pena até ao Chalet Biester. A Vila de Sintra enquadra-se perfeitamente nesta história de uma sociedade secreta com um grupo de obcecados por certos clássicos literários, em especial pela obra de Alexandre Dumas.

“Aquele Querido Mês de Agosto” (2008)

Por RTP

“Aquele Querido Mês de Agosto” é o segundo filme de Miguel Gomes e é uma mistura de documentário e ficção. O filme foi gravado durante os verões de 2006 e 2007 nas aldeias de Arganil, Oliveira do Hospital, Góis e Tábua, no distrito de Coimbra, e retrata um Portugal que normalmente não se vê no cinema.

Com um elenco de atores não profissionais, o filme acompanha a banda de baile “Estrelas do Alva” durante as festas de verão e as várias situações amorosas que acontecem entre as personagens, nomeadamente o pai, filha e sobrinho. A co-produção portuguesa e francesa foi apresentada em antestreia no Festival de Cinema de Cannes e foi muito bem recebida. O filme é uma homenagem aos verões da província e a todas as personagens que vivem num Portugal que costumamos esquecer.

“Comboio noturno para Lisboa” (2013)

Por movieloci.com

Este é mais um filme de Bille August, que 20 anos depois de “A Casa dos Espíritos” regressa a Portugal para mais uma história com paisagens portuguesas. Desta vez, Jeremy Irons é Raimund Gregorius, um professor suíço que salva uma mulher portuguesa de se atirar de uma ponte. Depois de ela fugir, percebe que se esqueceu do casaco, onde encontra um livro que o vai fazer apanhar um comboio para Lisboa.

Já na capital portuguesa, Raimund deixa-se levar pela história de Amadeu, um homem que fazia parte da resistência ao Estado Novo e viveu uma vida digna de um romance. No filme poderá encontrar a Igreja da Cartuxa e a Estação de Caxias, o Cais de Belém e a Estação de Santa Apolónia, o Cemitério dos Prazeres e um bar na Bica transformado em mercearia.

É realmente fascinante ver Jeremy Irons perder-se entre ruelas, miradouros e jardins como um turista deslumbrado. O filme conta ainda com atores portugueses como Beatriz Batarda, Nicolau Breyner e Marco d’Almeida.

“Solum” (2019)

Por Big Picture Films/YouTube

Neste thriller de ficção científica a mística paisagem do arquipélago dos Açores tem um papel fundamental. Realizado por Diogo Morgado, o verde predominante das ilhas açorianas evidenciam ainda mais o ambiente tenso e perigoso do filme.

Num cenário pós-apocalítico, oito desconhecidos vão para uma ilha selvagem e primitiva, com poucas interferências da civilização. São concorrentes de um programa de televisão sobre sobrevivência, que se chama precisamente “Solum”. Neste jogo, cada participante possui apenas o básico para sobreviver e estão todos a competir uns com os outros. O último resistente será o vencedor.

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.