Douro. Por hermitis

Conheça algumas quintas onde pode participar da apanha e pisa a pé das uvas que depois se transformarão num dos deliciosos vinhos produzidos em Portugal. Faça uma viagem no tempo e embarque nesta aventura.

Desde a antiguidade clássica que a vindima, época da colheita das uvas, é celebrada como se de uma festa se tratasse, afinal é o culminar do trabalho de um ano inteiro que, naquele momento, simbolicamente se festeja. Tradicionalmente, por terras lusitanas, o período das vindimas ocorre entre setembro e outubro, dependendo obviamente das temperaturas do verão e da quantidade de pluviosidade do ano.

Por ChiccoDodiFC

Se, porventura, puder guardar alguns dias de férias para esta altura e se, evidentemente, tiver vontade de viver esta experiência única como se de uma viagem no tempo se tratasse, aproveite e embarque na aventura de participar no processo de colher manualmente as uvas no meio dos vinhedos, onde ainda muitos homens e mulheres fazem apanha manual e vão depositando cuidadosamente os cachos de uvas em cestos de vime para que possam, depois, ser transportados para o lagar.

Depois faça parte do grupo de eleitos que, lado a lado com trabalhadores locais e enquanto se vão entoando cantares regionais, tem o privilegio de pisar a uva com os pés para dar início ao processo de fabricação do tão esperado néctar dos deuses, o vinho.

Muitas são as quintas vinícolas que abrem portas nesta altura do ano para que, qualquer um de nós, possa fazer parte da magia que por lá se vive.

Quinta Pacheca

Douro. Por Marafona

Na Quinta Pacheca, uma das adegas mais prestigiadas da Região demarcada do Douro, as vindimas são comemoradas com pompa e circunstância. O programa começa com a distribuição de chapéu de palha, lenço tabaqueiro, tesoura de corte e balde. Antes da partida para a vindima é servido o tradicional “mata bicho” com caldo de cebola, sardinhas assadas em fatia de pão de milho com azeite e regado com vinhos Pacheca. Depois da participação na apanha da uva, segue-se um almoço típico de vindima. Para a tarde está reservada uma prova de vinhos e visita guiada à Quinta da Pacheca e a pisa de uvas nos lagares durante a qual será servido um vinho do Porto.

Quinta da Teixuga

Douro. Por ah_fotobox

Na Quinta da Teixuga, também no Douro, até ao “lavar dos cestos é vindima”!

Nesta época especial, a Quinta da Teixuga convida-o a a participar na vindima de tesoura nas mãos, passear pela vinha e conhecer as diferentes castas e o processo de vinificação que compõe a etapa subsequente. A reposição de energias é dada pelo almoço típico, harmonizado pelo vinho da gama “Titular”, vislumbrando a vinha vindimada, em plena harmonia com a natureza, contribuindo assim para a perfeita serenidade como estado de espírito.

Quinta da Roêda

Por Laszlo Daroczy

No Pinhão, no coração do Vale do Douro, a Quinta da Roêda, a famosa propriedade da Croft, convida-o para uma autêntica experiência nas vinhas. O programa “Experiência de Vindima” inclui uma visita pela quinta, uma degustação de Pink, Reserva e Tawny 10 anos e a experiência de pisar uvas no lagar tradicional.

Adega Cooperativa do Cartaxo

Por Turismo Castilla-La Mancha

Mais a sul, a Adega Cooperativa do Cartaxo, fundada em 1954, tem raízes na região demarcada do Tejo com uma forte tradição vitivinícola.

Rodeadas por bonitas povoações, a região do Cartaxo oferece ao visitante uma aprazível viagem através do “habitat ribatejano” onde predomina a vinha cuja produção contribui para os afamados Vinhos do Cartaxo.

Durante o período da vindima, que decorre no mês de setembro, a Adega do Cartaxo preparou um programa especial de visitas que começa com uma bebida de boas-vindas, visita às instalações com explicação da sua história, dos vários processos da vindima e da produção do vinho, visita às vinhas e possível experiência de vindimar, almoço e prova de quatro vinhos.

Quinta da Lagoalva

Por Feliciano Guimarães

Na margem sul do Tejo, a cerca de 2 km de Alpiarça, encontra-se a Quinta da Lagoalva. Nesta propriedade, cuja história remonta ao século XII, o programa da vindima começa com passeio de charrete à vinha para dar a conhecer a dimensão da propriedade e os produtos de excelência agrícolas: a cortiça, o azeite e o vinho. Segue-se a visita à adega onde será explicado a conceção dos vinhos, prova de mostos, prova de três vinhos e visita à capela; picadeiro e cavalariça. No programa de Vindimas 2019 na Quinta da Lagoalva, os participantes têm ainda a opção de almoçar na quinta mediante marcação.

Quinta Casal das Freiras

Por Stefan Kühn

Ainda na Região demarcada do Tejo, mais precisamente em Tomar, temos a Quinta Casal das Freiras, que também prepara uma programação especial para as vindimas de 2019. Para além de visitar a maravilhosa cidade de Tomar, uma cidade que certamente o fará viajar ao longo da história até à época dos templários, dos reis e rainhas, poderá participar ativamente numa experiência de vindimar. O programa começa com uma visita à adega e explicação do processo de vinificação seguida de pisa de uvas em lagares de pedra e degustação de três vinhos, acompanhada por pão, azeitonas, tábua de queijos, compotas, bolinhos e fumeiro tradicional.

Adega Fernão Pó

Por Fir0002/Flagstaffotos

Mais a sul, mais precisamente na aldeia vinhateira de Fernão Pó, no concelho de Palmela, tem duas belíssimas adegas onde poderá participar nas vindimas. No dia 21 de setembro, a Adega Fernão Pó comemora o Dia de Vindima com o Enólogo. O programa consiste em, trajado a rigor com chapéu de palha e camisola, acompanhar o dia-a-dia do enólogo, primeiro na vindima, depois na adega. É uma experiência aliada à diversão de pisar uvas tintas e ficar com as pernas tingidas. Logo na chegada será brindado com uma “bucha”, segue-se a aventura de vindimar e pisar uva, na adega visualizar o percurso da uva explicado pelo enólogo e finaliza com um belíssimo almoço composto por saladas frias variadas, grelhada mista com arroz, fruta e doces variados.

Casa Ermelinda Freitas

Por Alegna13

Ainda em Fernão Pó mas na vizinha Casa Ermelinda Freitas, uma das mais afamadas do concelho de Palmela, o programa dedicado às vindimas começa com a tradicional apanha da uva com a duração média de uma hora e depois almoço com a típica sopa caramela (uma sopa tradicional do campo com enchidos e carnes) e claro uma degustação dos vinhos da Casa Ermelinda Freitas.

Adega Venâncio Costa Lima

Por KikoStock

Ainda no concelho de Palmela, mais precisamente na Quinta do Anjo, a Adega Venâncio Costa Lima, muito afamada não só pelos vinhos tintos e brancos mas sobretudo pelo seu muito premiado vinho moscatel, preparou o programa Acontece na Vindima que se realiza nos dias 14 e 21 de Setembro. O programa inclui visita à vinha, apanha e pisa da uva, visita à adega com bebida de boas-vindas e almoço. Para recordação desta experiência, a Adega Venâncio Costa Lima oferece um chapéu de palha, t-shirt personalizada e uma miniatura de Moscatel de Setúbal com cunho pessoal.

Adega Vila Santa

Barris de vinho no Alentejo. Por Por Magdalena Paluchowska

Em pleno Alentejo, na Adega Vila Santa, pertencente ao grupo João Portugal Ramos, uma das maiores referências dos vinhos portugueses, poderá participar na aventura “Nature’ing with Wine” das Vindimas de 2019. O programa começa com uma visita ao miradouro junto ao castelo de Estremoz onde se pode ter uma vista panorâmica sobre as vinhas de João Portugal Ramos. Segue-se a participação no processo de vindima com a tradicional apanha manual de uvas para caixas, a pisa de uvas pelo método tradicional nos lagares de mármore e visita à adega e caves onde será explicado todo o processo de vinificação, engarrafamento, estágio e cave de barricas.

A festa da vindima termina com um almoço regional com tibornas regadas com azeite extra virgem Oliveira Ramos Premium e queijinhos da região, salada da vindima (salada, uvas, tomate seco e queijo) ou folhado de queijo (com molho de vinho tinto); arroz escuro de pato “Vila Santa” com carpaccio de courgette ou bacalhau “à Chef” com migas de brócolos, sobremesa e vinhos das adegas do grupo João Portugal Ramos.

Assim, seja a norte ou a sul do país, não tem desculpa para não aderir ao nosso desafio e deixar-se levar pela aventura de participar no fabrico daquele vinho que algum tempo depois poderá estar à sua mesa para um brinde à vida.

Publique um comentário

* Estão marcados os campos obrigatórios.