Magazine Gastronomia Volta a Portugal em 8 variedades de pão

Volta a Portugal em 8 variedades de pão

37 Shares
Broa de milho
Broa de milho. Por Marcel Schmitz

“Numa casa portuguesa fica bem, pão e vinho sobre a mesa”. Assim começa a canção Uma casa portuguesa, eternizada na voz da fadista Amália Rodrigues. De facto, pão é algo que não pode faltar na mesa de qualquer casa tipicamente portuguesa. 

A paixão dos portugueses pelo pão levou a que se tenha aprimorado o processo de fabrico, nunca descurando a qualidade e a tradição. Um pouco por todo o país, foram-se multiplicando receitas e cada região foi desenvolvendo as suas próprias. 

Há algumas variedades que são transversais a todo o país, como é o caso da broa ou pão de milho. A broa é o típico pão feito com farinha de milho e trigo, ou farinha de milho e centeio, ou feito apenas com farinha de milho. É um pão com uma crosta crocante, mas denso e húmido no interior. Historicamente, este pão está mais associado ao povo e aos mais pobres.

Outras variedades de pão são específicas de determinadas regiões de Portugal e, por isso, contam muito da história de cada lugar pelos ingredientes usados, receitas, gastronomia local, produtos que acompanham o pão. Viaje connosco de norte a sul de Portugal, passando pelas ilhas, através deste alimento tão básico e indispensável.

1. Pão alentejano

Pão alentejano
Pão alentejano. Por Vitor Mota

Tal como indica o próprio nome, este pão vem do Alentejo, mas a sua popularidade faz com que seja consumido em todo o país. É feito com farinha de trigo, tem uma crosta acastanhada e o seu sabor é ligeiramente azedo. O Alentejo, ao contrário da maioria das regiões do país, era rico em trigo – era até conhecido como o celeiro de Portugal durante o Estado Novo.

Este pão tem também uma forma muito peculiar, pois é mais alto de um dos lados. O pão é a base da alimentação e da cozinha alentejana e, por isso, o pão alentejano é usado em pequenos-almoços, a acompanhar um prato, ou como um dos ingredientes fundamentais em muitos pratos típicos do Alentejo, como a açorda ou as migas. A melhor forma de o degustar é mergulhar uma fatia de pão alentejano num prato com um bom azeite.

2. Bolo lêvedo

Bolo lêvedo
Bolo lêvedo. Por Joehawkins

Chamam-lhe bolo, mas é muitas vezes usado para substituir o pão. O bolo lêvedo pode acompanhar qualquer refeição, seja ela o pequeno-almoço, o almoço, o lanche da tarde ou até mesmo o jantar. Esta é uma especialidade gastronómica típica das Furnas, uma freguesia do concelho da Povoação, na ilha de São Miguel, Açores.

Com uma forma cilíndrica, achatada e um sabor adocicado, este tipo de pão possui uma massa porosa de crosta ligeiramente tostada. Podem ser cozinhados sobre uma sertã ou numa chapa metálica polvilhada de farinha (frigideira).

A receita nasceu com os primeiros habitantes da ilha, uma vez que era difícil obter muitos alimentos diferenciados. O bolo lêvedo é processado quase da mesma forma que o pão, por isso a sua produção era mais facilitada. A sua produção hoje já alcança números elevados e tornou-se a imagem de marca das Furnas.

3. Bolo do caco

Bolo do caco
Bolo do caco. Por Jef Milano

O bolo lêvedo está para os Açores como o bolo do caco está para o arquipélago da Madeira. Consumido como entrada ou acompanhamento, este é um clássico madeirense que já se estendeu ao resto do país. O bolo do caco é um pão artesanal feito de farinha de trigo, batata doce, fermento, água e sal.

É um pão achatado, pouco fermentado, redondo, com menos de três centímetros de altura e com a forma de um bolo, daí o nome. Tradicionalmente o pão é cozido no caco, uma placa de pedra de basalto plana, mas também pode ser feito numa frigideira.

O bolo do caco é ótimo com manteiga de alho. Mas também é usado para fazer sandes com os mais variados recheios. O típico prego no pão fica ainda mais delicioso na versão em bolo do caco.

4. Pão de Mafra

Pão de Mafra
Pão de Mafra. Por Pão Real

O pão de Mafra é um dos pães mais famosos de Portugal, especialmente na região de Lisboa. Produzido no concelho de Mafra, a cerca de 40 quilómetros de Lisboa, é um pão com sabor adocicado, miolo macio e crosta pouco rija. É possível encontrar pão de Mafra de variados formatos, dos mais redondos aos mais compridos.

Desde 2012 que o pão de Mafra é uma marca registada. Por isso, para ser oficialmente um pão de Mafra, este tem de seguir algumas instruções específicas, nomeadamente: ser produzido em Mafra, ser feito com ingredientes da região, ser cozido num forno tradicional de lenha e uma hidratação acima de 80%. Este é um pão com elevada percentagem de água e a receita inclui farinha de trigo tipo 80, farinha de centeio tipo 70, sal e levedura.

Barril, Carvalhal e Encarnação são as localidades onde esta atividade tem mais relevância, produzindo pão para todo o país. Para promover a marca Pão de Mafra, a Câmara Municipal organiza anualmente o Festival do Pão, no Jardim do Cerco.

5. Broa de Avintes

Broa de Avintes
Broa de Avintes. Por AAlves

A broa de Avintes tem origem na freguesia com o mesmo nome, em Vila Nova de Gaia, e é um dos tipos de pão com maior tradição em Portugal. É um pão castanho-escuro e muito denso, com um sabor distinto e intenso, agridoce, feito com farinha de milho e centeio. Tem um processo de produção particularmente lento: coze cerca de cinco a seis horas no forno. Depois de cozido, é polvilhado com farinha. Tem, geralmente, o formato de uma torre sineira.

Hoje em dia, a broa de Avintes é produzida mesmo fora da freguesia e com ingredientes de origem industrial. Os antigos moinhos de Avintes deixaram de ter relevância económica, contudo, para manter a tradição, o povo de Avintes tem mantido a sua produção artesanal.

Todos os anos, na última semana de agosto, a vila celebra, desde 1988, a festa da broa. Formou-se, entretanto, uma confraria para defender o produto que se encontra em processo de certificação oficial e internacionalização.

6. Pão caseiro de Sesimbra

Pão tradicional de Sesimbra
Pão tradicional de Sesimbra. Fonte: Câmara Municipal de Sesimbra

É na freguesia do Castelo, no concelho de Sesimbra, onde mais se produz esta variedade de pão rural, mais conhecido por pão caseiro, cozido a lenha e muito apreciado na região. A marca Pão Caseiro de Sesimbra Cozido em Forno a Lenha foi registada pela Câmara Municipal de Sesimbra, em 2016, para preservar este saber ancestral e, ao mesmo tempo, incentivar os produtores a manterem a sua atividade e a transmiti-la às novas gerações.

Antigamente, era produzido para consumo próprio, semanalmente, em fornos a lenha existentes nas próprias casas e guardado em cestos de verga, envolvidos em lençóis, para permanecer macio por vários dias. Hoje, continua a ser produzido em forno a lenha para manter a qualidade e o aspeto artesanal tão característicos.

7. Pão da Mealhada

Pão da Mealhada
Pão da Mealhada. Fonte: Rota da Bairrada

Também conhecido por coroa, devido à forma redonda com quatro bicos, o pão da Mealhada é o pão tradicional desta cidade do distrito de Aveiro. Este pão é relativamente pequeno e é muito apreciado em toda a região centro do país. No passado, costumava ser feito com farinha pouco refinada e em forno a lenha, atualmente, nem sempre é assim.

O pão da Mealhada é também muito famoso por causa das não menos famosas sandes de leitão. O Leitão à Bairrada é um prato típico da Bairrada, uma região vinícola que inclui o município da Mealhada. Esta iguaria atrai muita gente até à região.

8. Pão de Alfarroba

Pão de alfarroba
Pão de alfarroba. Por António Duarte

O pão de alfarroba é um pão tradicional do sul de Portugal e é feito com farinha de trigo e farinha de alfarroba. A alfarroba é o fruto da alfarrobeira, uma árvore nativa da região mediterrânica e que existe em muita abundância no Algarve.

Nesta região do país, a alfarroba é usada para fazer o pão, mas também bolos, bolachas e até produzir licores. A semente é seca e moída, transformando-a em farinha. Historicamente, quando havia falta de trigo, os algarvios juntavam alfarroba para poupar ao fazer o pão. O pão de Alfarroba é bastante escuro e denso, tendo o seu sabor notas de malte.

10 doces tradicionais portugueses

Independentemente da ocasião, há algo que não pode faltar à mesa dos portugueses: os doces. Quer seja a típica doçaria da avó que foi passando de geração em geração ou os doces inventados por freiras residentes em conventos que se mantiveram até aos nossos dias, há doces para todos os gostos.

Read more

37 Shares

Faça um comentário

Ao clicar em ENVIAR aceita a privacidade

Copy link
Powered by Social Snap