Mapa
Chegada - Saída

Pessoas:

Preço médio:

De a
pessoa / noite

Arrendamento

Comodidades principais:

Morada:

Outras comodidades:

Serviços:

48 Casas de campo: Madeira

Relevantes primeiro
  • Calendário atualizado
  • Melhor valoradas
  • Mais comentários

Casa do Massapez

Arco da Calheta

A Casa do Massapez localiza-se no Arco da Calheta. É uma casa tipicamente madeirense. Este alojamento é composto por 2 edifícios independentes. A casa principal e o Palheiro. Foram construídos para a ...

Casa completa
1 - 9 pessoas
2 quartos
6 camas
21€ pess./noite (aprox.)

Hotel Quinta do Serrado

Porto Santo

O Hotel Quinta do Serrado está encaixado num vale, na Ilha de Porto Santo e disponibiliza de 22 quartos, dois deles suites.

Quartos
1 - 9 pessoas
22 quartos
7 camas
45€ pess./noite (aprox.)

Quinta do Cabouco

Ribeira Brava

A Quinta do Cabouco é uma mansão construída no século XVIII com vista para o mar, a qual foi renovada e ampliada, mas mantendo as suas características originais. Este alojamento está localizado na Rib...

Quartos
1 - 4 pessoas
2 quartos
3 camas
41€ pess./noite (aprox.)

Casa Sol

Arco da Calheta

A Casa Sol situa-se no Arco da Calheta na Madeira. Pertence às Casas do Calhau Grande. A casa é confortável e está totalmente equipada para uma estadia descansada inserida num ambiente rural. Disponi...

Casa completa
1 - 4 pessoas
3 quartos
3 camas
26€ pess./noite (aprox.)

Casa das Orquídeas

Calheta

A Casa das Orquídeas está situada na Calheta, ilha da Madeira. Desfrute de todo um espaço exterior amplo com vistas panorâmicas sobre a montanha e o mar. O equilíbrio entre o mar e a montanha, fazem d...

Casa completa
1 - 6 pessoas
5 camas
51€ pess./noite (aprox.)

Casa Eira

Arco da Calheta

A Casa Eira situa-se no Arco da Calheta na Calheta. Pertence as Casas do Calhau Grande. A Casa é confortável está totalmente equipada para uma estadia descansada inserida num ambiente rural. Disponib...

Casa completa
2 - 4 pessoas
3 quartos
2 camas
26€ pess./noite (aprox.)

Casa Palha

Arco da Calheta

A Casa Palha situa-se no Arco da Calheta na Calheta. Pertence as Casas do Calhau Grande. A Casa é confortável está totalmente equipada para uma estadia descansada inserida num ambiente rural. Disponib...

Casa completa
2 - 3 pessoas
2 quartos
2 camas
30€ pess./noite (aprox.)

Casa Levada

Arco da Calheta

A Casa Levada situa-se no Arco da Calheta na Calheta. Pertence as Casas do Calhau Grande. A Casa é confortável está totalmente equipada para uma estadia descansada inserida num ambiente rural. Disponi...

Casa completa
2 - 4 pessoas
3 quartos
2 camas
26€ pess./noite (aprox.)

Casa Junior

Arco da Calheta

A Casa Junior situa-se no Arco da Calheta na Calheta. Pertence as Casas do Calhau Grande. A Casa é confortável está totalmente equipada para uma estadia descansada inserida num ambiente rural. Disponi...

Casa completa
2 - 4 pessoas
2 quartos
2 camas
26€ pess./noite (aprox.)

Casa Sapateiro

Arco da Calheta

A Casa do Sapateiro situa-se no Arco da Calheta na Calheta. Pertence as Casas do Calhau Grande. A Casa é confortável está totalmente equipada para uma estadia descansada inserida num ambiente rural. D...

Casa completa
2 - 6 pessoas
4 quartos
5 camas
26€ pess./noite (aprox.)

21 - 30 de 48 alojamentos rurais

Venha tocar na Madeira

Turismo rural na Madeira

No Atlântico, à altura de Marrocos, há um quinteto que funciona muito bem como arquipélago. Duas ilhas, as maiores, são habitadas: Madeira e Porto Santo. Enquanto a Sudeste há um trio rochoso e alargado que não permite hospedagem humana, são as ilhas Desertas: Ilhéu Chão, Deserta Grande e Bugio.

São todas de origem vulcânica (vai ver que têm caráter!) e dois terços da sua superfície estão marcados como área protegida. Já está na hora de explorar, Indiana Jones?   

Onde a natureza joga todas as suas cartas

Aqui, vive-se uma eterna primavera! Vai andar por um cenário de cor verde esmeralda, com pequenos apontamentos coloridos e insistentes que correspondem ao exotismo das suas flores. E todo com um azul intenso como fundo permanente: o Atlântico.

No Parque Natural da Madeira (reserva biogenética terrestre e marítima), encontrará árvores gigantes, vegetação regular e exemplares únicos no mundo, como por exemplo, a orquídea da Serra (Dactylorhiza foliosa). E, aqui, abrigam-se aves endémicas como a estrelinha-de-poupa da Madeira.  

A água inunda tudo, também a doce! Os antepassados madeirenses tiveram o cuidado de dirigir o seu curso por vales e ladeiras para cobrir as suas necessidades. O resultado são as levadas, canais de água que percorrem paragens como o Parque Natural da Madeira e o Parque Ecológico do Funchal.

E a costa recorta-se, sob a influência dos vulcões, seguindo os pontos de falésias elevadas, praias de pedras e areia e piscinas naturais na rocha (como as de Porto Moniz).

Algo muito particular

Mergulhe nos 20% mais genuínos da Madeira. Este pedaço de ilha, nada mais e nada menos do que uns 15 000 hectares, está coberto por uma floresta primitiva de laurissilva que é a inveja das laurissilvas de todas as ilhas atlânticas e do continente europeu, onde quase não resta nem a recordação. Aqui, olhe para Norte com ar risonho e subtropical.

Funchal, a capital

É uma cidade que acumula mais de 500 anos às costas. O seu centro histórico tem boas dimensões para o percorrer a pé. Revelar-lhe-á a sua Sé, uma igreja gótica que alterna entre o branco mais puro com o ladrilho mais escuro e usa o estilo mudéjar para cobrir um teto interior de alfarje com madeira de cedro. Também ficará impressionado com a Igreja do Colégio, dourada e repleta de azulejos por dentro.

No Mercado dos Lavradores, encontrará um verdadeiro festival cromático, olfativo e gustativo: frutas exóticas, cana-de-açúcar, bolo de mel… Uma tentação para a sua máquina fotográfica e o seu paladar! E sabe combinar maravilhosamente com vendedoras de flores, lotas de peixe e bancas de artesanato.

Outra paragem que verá a léguas (pelo amarelo da sua fachada): o Forte de São Tiago, que faz braço de ferro com o mar. E não perca o Museu do Vinho e o Museu do Bordado.

Mais assentamentos humanos

Precisará de mais contacto com as pessoas do território, mas agora a mais pequena escala (embora continue a acompanhar-se de natureza por atacado)...

Câmara de Lobos equivale à descrição de “uma cativante aldeia de pescadores”, com as barcas prontas a fazer-se ao mar e um porto e uma série de fachadas que vivem viradas para as ondas. No alto do cabo Girão, praticamente poderá tocar no céu.

Outras paragens costeiras inevitáveis são o Caniçal (e a sua ponta de São Lourenço) e São Vicente, que lhe oferece a Rota da Cal e uma interessante visita às Grutas e ao Centro de Vulcanismo. E uma quarta!: Santana e as suas encantadoras casas tradicionais. E com um parque temático para os mais pequenos desfrutarem, assim como para a sua criança interior.

No Curral das Freiras, mesmo no miradouro Eira do Serrano, tem à sua espera vistas altamente fascinantes de portas para dentro. Como no Pico do Areeiro e na Encumeada.

Porto Santo, a Ilha Dourada

É o ator secundário dentro do arquipélago, mas não menos importante. Um avião ou um ferry levá-lo-ão até aqui, onde poderá tomar um banho curativo (leu bem!) escolhendo o seu recanto entre vários quilómetros de praias douradas.

Tem à sua espera Vila Baleira (a capital) e a sua pitoresca Casa Museu de Cristóvão Colombo, o miradouro da Portela com os seus moinhos de vento, o singularíssimo pico Ana Ferreira e uma enorme subida até ao Pico do Facho (o seu ponto mais alto: 517 metros).   

Ainda lhe sobra tempo?

  • Ultrapasse as nuvens com uma incursão aos picos do Areeiro e Ruivo.
  • Descubra onde o levam os caminhos e a rede de levadas que cruzam as florestas de laurissilva. Poderá segui-las a uns 3000 quilómetros de cascatas e água calma!
  • Se gosta de mergulho, refresque-se nas águas turquesas do Porto Santo ou da Reserva Natural de Garajau, onde o saudarão grandes peixes como os meros.
  • Divirta-se a fazer surf na aldeia de Paul do Mar.
  • Entre a bordo de um barco com a proa a apontar para as ilhas Desertas, onde habita a pouco vista foca-frade. Bastante mais para baixo (cerca de 280 quilómetros), as ilhas Selvagens enchem-se de cantos de pássaros de todo o tipo. Toda a travessia promete o encontro com golfinhos, baleias, tartarugas-bobas…      

O brinquinho e o Bailinho da Madeira

O Funchal oferece-lhe o seu carnaval e uma Festa da Flor cujas cores e fragrância ficarão gravadas na sua memória.

A freguesia de Camacha é muito hábil com o artesanato em vime e sabe valer-se do brinquinho, um instrumento musical muito peculiar, para marcar o ritmo da sua dança mais típica: o Bailinho da Madeira. Por outro lado, os artesãos de Vila Baleira brincam com conchas, canas, folhas de palmeira…   

No Porto Santo, divertem-se com as Festas de São João (junho), padroeiro da ilha. Encenam histórias de navegantes com o Festival de Colombo (setembro). E repetem ritos ancestrais com a Festa da Vindima (agosto).

Mas as especialidades que lhe saberão melhor serão a sopa de trigo, a espetada de carne de vaca em pau de loureiro, a carne de vinha-d’alhos, o bolo do caco e a poncha, um licor muito típico.